Nosso site utiliza cookies para melhorar a navegação do usuário. Os cookies são pequenos arquivos de páginas que você visita e que ficam salvos no seu computador. Clicando em "Eu Aceito!", você concorda com esse armazenamento no seu dispositivo e nossa Política de Privacidade.
Receba novidades do blog Mundo do Aço!

Mundo do Aço

Economista faz projeções para 2022 no Brasil e no mundo pós-pandemia crédito: CBIC/Reprodução

Em um painel de discussão ocorrido no 93º Encontro Nacional da Indústria da Construção (CBIC), com o tema “O Valor do Amanhã”, o economista, cientista social e autor Eduardo Giannetti fez um panorama da atual conjuntura econômica, com algumas sinalizações do que vem por aí em 2022. O Valor do Amanhã é o título de um mais célebres livros do economista. 

Além de falar sobre os princípios econômicos, planejamento de vida, aspirações, experiências e aspectos que permeiam a vida de todos. Embora a obra tenha sido publicada originalmente em 2005, fornece subsídios para uma discussão sobre os destinos que o país deve tomar a partir do fim da pandemia.

O debate foi coordenado pelo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, e teve a participação do vice-presidente da instituição José Irenaldo Quintans e do cientista político Leonardo Barreto. Na abertura do painel, Martins ressaltou que a pandemia não intimidou o setor. “Crescemos e fomos resolvendo as circunstâncias ao longo do caminho.”

Gianetti começou sua palestra demonstrando que o ser humano adquiriu a arte de cooptar o tempo e faz isso por meio das trocas intertemporais e entre o passado e o futuro. “Podemos ser credores, o que significa escolher pagar agora e viver depois. Ou devedores, quando aceitamos um custo futuro para disfrutar agora, o que na economia se traduz nos juros”, explicou.

Pós-pandemia

Sobre o mundo e o Brasil no período pós-pandemia, Gianetti disse que há algumas certezas ao lado de uma série de incertezas. Segundo ele, o planeta estará mais endividado, tanto no que se refere aos países quanto às famílias, menos globalizado e mais digitalizado. “O Brasil, no pós-covid, terá que prestar muita atenção ao endividamento público, ainda que a relação entre a dívida do governo e o PIB tenha crescido, mas abaixo do esperado”, recomendou.

Para explicar sobre como a globalização será refreada, ele citou o exemplo da indústria farmacêutica, que tem 85% dos seus ingredientes ativos produzidos por China e Índia, e os problemas de fornecimento de semicondutores, que tem afetado diversas indústrias. Em relação ao digital, o exemplo foi a mudança na forma como os consumidores adquirem bens por meio da internet.

Incertezas

Quanto às incertezas, o economista avaliou que a disputa entre a engenhosidade humana e as novas cepas do coronavírus ainda não está resolvida. “É cedo para se cantar vitória, ainda que, no Brasil, a variante delta não tenha avançado tanto.” Já em relação à economia, Gianetti se mostrou ainda mais pessimista. “O Brasil vem em uma recuperação cíclica, com crescimento de 5% em 2021. No entanto, esse desempenho não pode ser extrapolado para o futuro.”

Gianetti disse não descartar uma guinada fiscal populista do governo nas vésperas da eleição de 2022. “Não acho que está contratado, mas o cenário exige atenção. Vamos ter um ano cheio de emoções, com ameaça de inflação e aumento dos juros. O quadro inspira cuidados”, pontuou.

Comente aqui
O seu endereço de e-mail não será exibido no comentário
Campos obrigatórios estão indicados com ( * )
Ainda restam caracteres.
Seu comentário está aguardando aprovação.
Obrigado pelo seu comentário!

ferrominas@ferrominas.com.br

Rua Virgínia Brandão 157 - Santa Luzia
Centro, Ubá - MG, 36506-006